A declaração foi feita durante uma entrevista realizada no início da tarde desta segunda-feira (4), ao Programa Rádio Verdade, na Arapuan FM. Estela também comentou sobre o processo da escolha da Mesa Diretora da ALPB, o debate em torno da Cruz Vermelha, e os desafios para os próximos anos.

De acordo com Estela, o governo deve continuar com a boa relação com sua bancada e não tomar para si a disputa na AL, mas criticou a forma como o processo foi conduzido. “Se você não consegue manter sua palavra, se não consegue transformar sua verdade em ação, perde sua integridade. A disputa nas assembleias nãos giram em torno do fortalecimento das instituições, e sim em torno do tamanho dos privilégios que cada um pode ter”, afirmou, mas deixou clara sua posição de respeito à Casa e aos colegas parlamentares.

Sobre a nova legislatura, Estela defende que a bancada feminina consiga se unir em defesa das pautas relativas aos direitos das mulheres. “Acho que podemos fazer isso bem. Dentro da Casa as mulheres sofrem discriminação, esse tempo inteiro nunca frequentamos a Mesa num lugar de visibilidade, como a presidência e a vice, e as duas primeiras secretarias. Então essa deve ser uma pauta conjunta dentro da AL”.

Estela também ressaltou a agenda da acessibilidade; direitos humanos; meio ambiente e uso da água; agricultura familiar e economia solidária, “apesar do Governo Federal ter tirado todo o orçamento para essa área” afirmou.

Em relação à Cruz Vermelha, Estela deixou clara a intenção do governo em colaborar com o processo de investigação, mas defendeu a visível melhora nos serviços hospitalares na Paraíba.

“A OS é o caminho que os poderes públicos têm para melhorar os serviços. Não fosse a possibilidade de fazer uma gestão compartilhada, não teríamos aberto nenhum serviço, porque iríamos desrespeitar a lei de responsabilidade fiscal e a legislação trabalhista. Optamos pela OS num momento muito dramático. A melhora da qualidade dos serviços fez com que o governo não levantasse suspeita sobre a empresa”.

Estela também criticou a comparação da Paraíba com o Rio de Janeiro, que considera injusta. “O Rio está sem pagar salários dos servidores, com vários prefeitos e governadores presos, o filho do Presidente da República com suspeita de desvio de dinheiro na ALRJ. É um estado que está completamente à deriva”.

A deputada também afirmou que o estado da Paraíba vem dando exemplo ao Brasil.

“Acho que a Cruz Vermelha deve ser acompanhada e retirada no momento certo. O que não pode é deixar o usuário ser refém e pagar o prejuízo. Precisamos de um mecanismo que não deixe os paraibanos sem assistência hospitalar”.

Futuro político.

Sobre o futuro político, Estela alegou estar reflexiva. “Acho que a política é a maior ferramenta de transformação, e acredito que posso continuar dando minha contribuição. O perfil de ser feminista, de ser da periferia é muito importante na política. Tenho energia, mas quero ser desafiada em outros papéis”, disse.

Em relação à disputa municipal, em 2020, Estela reafirmou o nome de Ricardo Coutinho como candidato natural. “Hoje Ricardo é a maior liderança que nós temos. O nome que ganha hoje e que ganha daqui a dois anos. Mas ele está num lugar muito importante agora. Abriu mão de uma eleição ganha e foi pra Fundação Mangabeira, já montou diálogos com outros institutos e começou a montar um Observatório de Democracia, uma importante contribuição no cenário nacional”.

Estela acredita que o PSB tem nomes para essa disputa, inclusive o próprio. “Minha relação com João Pessoa é de amor e compromisso, mas quem vai definir é a conjuntura. O executivo é uma coisa que me atai, mas não é o mais importante. Me importa mais o processo político”.

Início dos trabalhos legislativos

Ainda durante a tarde desta segunda-feira (4), Estela Bezerra participou da abertura dos trabalhos legislativos da 1ª Sessão Legislativa da 19ª Legislatura, e acompanhou a mensagem do executivo feita pelo governador João Azevedo. A solenidade aconteceu no Plenário José Mariz e contou com a presença de políticos e autoridades do executivo estadual.

Durante a sessão solene, João Azevedo apontou as metas de sua gestão aos deputados estaduais. Em sua mensagem, o chefe do Executivo destacou que o governo tem “uma programação elaborada que vai dos próximos 100 dias até os próximos 48 meses” e deve investir, apenas em 2019, recursos da ordem de R$ 1 bilhão em todas as regiões do Estado.

 

fotos: Martha Vasconcelos