A Assembleia Legislativa da Paraíba realizou, nesta quarta-feira (17), Sessão Especial para celebrar os 70 anos do Correio das Artes, suplemento cultural do Jornal A União. A homenagem é de propositura da deputada estadual Estela Bezerra (PSB). O Correio das Artes é a terceira publicação ainda em circulação no Brasil, e a mais antiga direcionada à cultura do país.

A Sessão fez um resgate histórico da revista desde sua primeira edição, em 1949. “A história do Correio das Artes nos dá orgulho. Tivemos durante sua história a contribuição de escritores como Câmara Cascudo e Carlos Drummond de Andrade. O Correio das Artes conseguiu manter a perenidade e qualidade de conteúdo, o que eleva nosso sentido de  identidade cultural e política” afirmou a parlamentar.

O jornalista William Costa, atual editor do Correio das Artes, agradeceu a homenagem. “É gratificante para a publicação, e por extensão para a cultura paraibana, ter o reconhecimento dessa Casa e dos representantes do povo paraibano. É o resultado de um trabalho que vem sendo feito por muitas gerações de escritores, jornalistas, poetas, professores, e demais colaboradores”, agradeceu o jornalista.

A escritora Valéria Rezende, destacou a importância da valorização da cultura.
“Isso demonstra que a Assembleia Legislativa se preocupa e valoriza a cultura, que é a única coisa que nos torna gente. Cultura é identidade de um povo, cultura aquilo que nós vamos deixar para as gerações futuras. O que nós temos hoje é o resultado de uma herança longa. Então celebrar essa herança de 70 anos ininterruptos fala mais sobre a Paraíba mais do que qualquer coisa”, disse a escritora, que é autora de 18 obras e vencedora do Prêmio Jabuti em cinco ocasiões.

A deputada Estela Bezerra, presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desportos da ALPB, falou sobre a importância da cultura em tempos tão obscuros.
“Um povo só é um povo quando ele preserva sua cultura e o que nos distingue  e ao mesmo tempo nos unifica é nossa cultura e nossa arte, e celebrar esses 70 anos do Correio das Artes é especialmente significativo num contexto político em que a arte a cultura padecem com tantas perdas e tanto obscurantismo”, finalizou a parlamentar.