Na volta ao trabalho presencial desde o início da pandemia, a deputada estadual Estela Bezerra (PT) conduziu na manhã desta quinta-feira (4) a Sessão Especial alusiva aos 60 anos de regulamentação da Psicologia no Brasil, que aconteceu no plenário José Mariz, Assembleia Legislativa da Paraíba.

Para a deputada, a importância de celebrar a data se justifica pelo reconhecimento desses profissionais no cuidado, prevenção e promoção da saúde mental. “Nesses últimos dois anos, nós vimos exacerbados os sintomas de medo, de pânico, de dificuldade de relacionamento social. É uma honra poder ser o instrumento que traz para esta Casa, o reconhecimento de seis décadas de compromisso ético com a sociedade”.

Numa mesa formada só por mulheres, Estela também ressaltou o trabalho das organizações de psicólogos negros e do combate ao racismo, machismo e lgbtfobia. Silvana Barbosa Mendes Lacerda, presidente do Conselho Regional de Psicologia-13, embasou essa afirmação. “É um momento também para refletir a atuação profissional enquanto ciência e profissão, com um viés antirracista, anticapacitista e contra a violação dos direitos”.

Para Ana Sandra Fernandes, Conselheira-presidente do Conselho Federal de Psicologia, independente do contexto de pandemia, as pessoas estão adoecidas. “A psicologia trabalha com toda e qualquer possibilidade de sofrimento humano e a gente vive num processo e num momento histórico onde as pessoas estão em profundo sofrimento, seja pelas perdas, seja pelo luto, seja pelas dificuldades socioeconômicas que país tem atravessado”, disse Ana Sandra.

“O fazer da psicologia é justamente esse olhar sensível, de escuta, de intervenção, que vai auxiliar as pessoas é pior do que ninguém por estar sofrendo. E se as pessoas estão sofrendo, é muito importante que elas busquem ajuda. Afinal de contas, se existe uma alternativa para o sofrimento, não faz nenhum sentido que as pessoas continuem a sofrer”, finalizou, reafirmando a importância dos profissionais de psicologia.

Irismar Batista de Lima, representante da Articulação Nacional de Psicólogas/os Negras/os e Pesquisadoras/es Pretas/os – ANPSINEP, enfatizou a importância de a história de luta do movimento negro e a atuação da ANPSINEP. “Estamos por todo o Brasil e aqui na Paraíba somos pioneiras, com uma articulação direta com movimentos sociais e instituições públicas. Preconizamos uma psicologia antirracista e é importante afirmar que seu crescimento e engajamento temos trabalhado incansavelmente”, afirmou.

Para Durvalina Rodrigues, diretora da Divisão de Psicologia “Eduardo Antônio Soares dos Santos”, da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba-DIPSI, psicóloga desde 1996, a data é um marco histórico para a categoria.  “Aqui dentro Assembleia Legislativa, nós temos a divisão de psicologia que cumpre na íntegra o papel do acolhimento, atendimento e do cuidado da saúde mental dos servidores da Casa, assim como os seus familiares.

João Pedro, estudante de psicologia do 10º período, considera “uma grande riqueza poder participar da história que não é só um marco da psicologia em si, mas um marco também na minha história como futuro profissional psicologia e da ciência. Esse compromisso social, da psicologia, também é um compromisso científico e político.

Durante a Sessão, foi exibido um vídeo produzido pelo CRP-13, resultado da campanha colaborativa lançada pelo Conselho, que recebeu fotos de diversas profissionais. A campanha tem como mote “Na Paraíba temos história, somos presente, fazemos futuro”.

Também foram homenageados Ana Sandra Fernandes, conselheira-Presidente do Conselho Federal de Psicologia; Aluízio Lopes de Brito in memoriam; Leôncio Francisco Camino, professor e pesquisador da UFPB; Sônia Maria Lima de Gusmão, professora do primeiro Curso de Psicologia no UNIPÊ; todas e todos ex-presidentes do Conselho Regional de Psicologia – 13, representados por Maria Marques Rodrigues Satiro, primeira presidente do CRP-13; membros da Comissão Gestora de Campina Grande, representados por Thiago de Souza Santos; funcionários do Conselho Regional de Psicologia, representados por Mônica Bandeira, a mais antiga funcionárias da autarquia e por Katiuska Araújo Duarte, mais antiga assessora técnica do CREPOP no país; e ao psicólogo  Eduardo Antonio Soares dos Santos in memoriam, servidor da ALPB, que faleceu no dia 16 de julho 2020, vítima de covid-19, representado pela esposa, Edilea Lira Pereira dos Santos.

Ao final da Sessão, os presentes acompanharam a apresentação do Grupo Passageiro 22, do Centro de Referência Psicossocial – CAPS Gutemberg Botelho.