A deputada estadual Estela Bezerra realizou na manhã desta sexta-feira (19), a solenidade de entrega do Troféu Mulher Cidadã a juíza de Direito Graziela Queiroga, concedido pela Assembleia Legislativa da Paraíba. Realizada através de videoconferência, a sessão também homenageou a magistrada pelos trabalhos realizados em defesa e proteção dos direitos das mulheres na Paraíba.

À frente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, do Tribunal de Justiça da Paraíba, a magistrada Graziela Queiroga dedicou sua atuação ao campo social, especialmente à área dos Direitos Humanos. A deputada Estela Bezerra destacou que a juíza Graziela Queiroga tem sido uma aliada imprescindível na constante luta de enfrentamento a violência contra as mulheres. “É um prazer imenso ver a Assembleia estar homenageando tão justamente uma pessoa com uma contribuição significativa, relevante e que merece todo esse nosso reconhecimento, tanto como operadora do direito, como defensora dos Direitos Humanos e dos direitos das mulheres”, declarou a deputada. Estela acrescentou ainda que a Assembleia, ao prestar essa homenagem, está se voltando, não só à grandeza da doutora Graziela, mas ao trabalho que realiza na Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar no Tribunal de Justiça da Paraíba.

Para a deputada Estela, a concessão desta honraria à Juíza Graziela Queiroga Gadelha de Sousa é justa por sua atuação, compromisso e competência, no enfrentamento à violência e em defesa dos direitos das mulheres paraibanas, sendo motivo de admiração, respeito e referência do Tribunal de Justiça da Paraíba e dos movimentos sociais, que a veem como uma aliada em todos os momentos. “Estar a frente da Coordenadoria que atende às mulheres vítimas de violência não é mais uma atribuição, é, na verdade, um propósito de vida que ao recebê-lo é criada uma devoção pra isso e entendem que nesse momento chegou uma missão em suas mãos e aqui estamos reconhecendo isso”, afirmou Estela.

A homenageada agradeceu pela outorga concedida pelo Legislativo paraibano e relatou que desde o momento em que tornou-se magistrada desejou ser um sinal de igualdade e de justiça. “Não quero jamais ser uma aplicadora de lei, eu quero usar a lei para justificar as minhas decisões. A Justiça está e deve estar acima de tudo”, afirmou a juíza. Emocionada, Graziela Queiroga declarou sentir-se honrada pelo reconhecimento do seu trabalho na justiça paraibana e ressaltou que a missão que escolheu pode fazer a diferença na vida das pessoas e que a gratidão pelo serviço prestado é o maior remuneração que pode receber. “Nunca imaginei receber um prêmio, um troféu, mas recebo com muita honra e agradeço por esta Casa compreender que sou merecedora dessa homenagem. Sou grata por viver esse momento”, concluiu a homenageada.

A Sessão Solene contou ainda com a participação da representando o Ministério Público da Paraíba, promotora Roseane Araújo; da coordenadora das Delegacias da Mulher do Estado da Paraíba, Maísa Félix Araújo; da assessora do TJPB, Angela Maria Batista Ramalho, da técnica judiciária e assessora de gabinete do Juízo de Primeiro Grau, Thayse Vilar de Holanda; da gerente executiva de Equidade de Gênero, da Secretaria de Estado das Mulheres, Joyce Conceição Borges; e da representante do Coletivo Articulação das Mulheres Brasileiras, Hildevânia Macedo. Também participaram o presidente da Assembleia, Adriano Galdino, a deputada Camila Toscano e do deputado estadual Jeová Campos.

Sobre a homenageada

A magistrada, em 2019, passou a representar o Poder Judiciário na Comissão Parlamentar de Inquérito do Feminicídio, da ALPB. No ano seguinte, junto à Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou campanha Sinal Vermelho contra a violência doméstica.

Ainda em 2020, a juíza Graziela Queiroga foi idealizadora do ‘Violentômetro’, instrumento que de forma objetiva e fácil, orienta as mulheres a prestarem atenção em comportamentos e ações que, se não contidas, podem evoluir para ofensas, ameaças, abuso sexual até a morte, incentivando, assim, uma tomada de consciência e uma ação imediata para evitar a evolução da violência.

A magistrada está atuando como auxiliar na 1ª Vara da Comarca de Cabedelo, que tem competência na área de Violência Doméstica e é uma das Juízas responsáveis pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica do Tribunal de Justiça da Paraíba.

com informações da Agência ALPB