A deputada estadual Estela Bezerra (PSB) usou o Pequeno Expediente desta quarta-feira (12) na ALPB para falar sobre a campanha de 16 dias de ativismo contra a violência de gênero que realizou em seus perfis nas redes sociais e comentar sobre a participação no Congresso Latino Americano de Feminismo que ocorreu em La Plata, na Argentina, e reuniu mulheres parlamentares de todo o Brasil e América Latina.

“Me reuni com várias parlamentares do campo feminista e com presenças de personalidades políticas a exemplo de Jandira Feghali e Manuela Dávila, candidata à vice-presidente no último pleito. Foi uma oportunidade ímpar de poder interagir com as realidades das Américas e com a expansão de uma versão fascista de governos, como o de Maurício Macri, presidente da Argentina, que tem levado o país a viver momentos muito difíceis na economia”.

Ainda no Pequeno Expediente, Estela divulgou um vídeo produzido pelo seu mandato, numa compilação da campanha realizada em suas redes sociais mostrando dados e fatos sobre a violência contra a mulher no país. Estela aproveitou a ocasião para, mais uma vez, se posicionar contra as várias violências cometidas contra as mulheres todos os dias no país e lembrou que o assassinato de dois líderes do MST, ocorridos no último sábado (8), no município de Alhandra:

“Mesmo à distância, acompanhei a repercussão do assassinato dos dois líderes do MST, Orlando e Rodrigo. Meu coração e minha mente só descansarão quando elucidarmos esse crime e levarmos os culpados a um julgamento e uma punição exemplar. O Brasil não pode voltar à barbárie e ao tempo em que as milícias se consideram autorizadas a fazer a brutalidade de excluir e criminalizar a mobilização da sociedade civil”.

 

CCJ

Após o Pequeno Expediente, a parlamentar se reuniu com a Comissão de Constituição e Justiça para dar andamento à pauta. Foram analisados 16 projetos de lei, sendo 4 de indicação do Poder Executivo.

Entre as matérias aprovadas, o Projeto de Lei 2.011/2018, de autoria de Estela, que dispõe sobre a possibilidade de remição de pena pela leitura. De acordo com a deputada, o projeto se inspira em ações que já são realizadas em outros estados, a exemplo do Rio Grande do Norte:

“Temos inciativas federais para a ressocialização e remissão de pena ligadas à educação e bom comportamento. Nós queremos implantar o item de leitura incentivando a criação de bibliotecas e à leitura como variáveis. Acreditamos que a educação e a leitura de bons conteúdos possam contribuir, inclusive de forma terapêutica, com quem está em situação confinamento”.

Em relação às matérias do Poder Executivo, o destaque foi o projeto que visa incrementar o Fundo de Erradicação da Pobreza, que mantém uma série de atividades complementares dirigidas à programas de proteção das populações vulneráveis.

“O Brasil colocou no ano de 2017 dois milhões de brasileiros abaixo da linha da pobreza, uma história que tínhamos superados com os governos de Lula e Dilma. Aqui na Paraíba, na contramão do fluxo do pais, retiramos 100 mil pessoas da linha da pobreza e da miséria. O estado, que é o principal agente promotor de políticas públicas, conseguiu ir na contramão do fluxo do país”, finalizou a deputada.

Fotos: ALPB