A deputada estadual Estela Bezerra (PSB), utilizou a tribuna do plenário da Câmara Municipal para alertar sobre a indicação arbitrária para a nova presidência do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade – ICMBio, que tem sua sede na Paraíba localizada na Mata do Amém, em João Pessoa. O pronunciamento foi realizado durante o Pequeno Expediente desta quarta-feira (6).

De acordo com a deputada, que se reuniu com representantes do ICMBio, o indicado pelo Governo Federal para assumir a presidência do órgão não possui qualquer qualificação técnica para ocupar o cargo de uma instituição tão estratégica na preservação do meio ambiente.

“Os servidores do ICMBio têm resistido à indicação de um nome que é defensor e representante da bancada ruralista. É como entregar o galinheiro à raposa: entregar o ICMBio à alguém que defende o agronegócio, é permitir que o licenciamento ambiental não tenha o menor critério”, afirmou a parlamentar, lembrando que essa semana celebramos o Dia Mundial do Meio Ambiente, que é um eixo fundamental de sustentabilidade na economia.

Já os representantes do Instituto Chico Mendes, afirmam que o orgão se tornou atraente depois da aprovação da lei que permite a transformação de multas ambientais em projetos de compensação. Isso dá à diretoria do órgão o poder de negociar e aprovar projetos no valor de R$ 1,2 bilhão a serem promovidos ou contratados por empresas que teriam de pagar multas. O ICMBio é a cota do partido por compor a base do governo no esforço do Palácio do Planalto para conservar o apoio que ainda lhe resta no Congresso.

Para Estela, é importante que a Assembleia também seja um espaço de defesa das instituições que estão sofrendo desmonte e que são mais uma das consequências do golpe.

Fotos: ALPB