Durante a convenção do PSB, realizada último sábado (23), a deputada estadual Estela Bezerra  enalteceu a militância do partido e reafirmou o nome de João Azevedo como o grande representante do projeto de governo para 2018.

De acordo com a parlamentar, pré candidata à deputada estadual, a grande força do PSB é a união de sua militância. “Temos uma grande responsabilidade, com mandato ou sem mantado, e a grande força desse partido e dessa gestão é sua militância. Depois de duas gestões capitaneadas por Ricardo Coutinho, temos a missão de dar continuidade ao projeto político que vem transformando não só o estado, mas a mentalidade e o modo de fazer política na Paraíba”.

Ainda durante sua fala, Estela falou sobre as audiências públicas que foram realizadas em São Domingos do Cariri e Barra de São Miguel, que debateu com moradores e pequenos produtores o uso e a gestão das águas do projeto de Transposição do Rio São Francisco.

“Cheguei da região do cariri,  onde estamos conversando com moradores de 8 municípios e representantes da Secretaria de recursos Hídricos, Cagepa, Sudema, Procase e os outros órgão do governo que tem preocupação ou relação direta com os efeitos da Transposição, e é exatamente nessa área onde o governo vem dando show, reconhecido inclusive pelo IPEA e pelo Banco Mundial”, disse a deputada.

Sobre João Azevedo, secretário estadual de Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia, Estela afirmou que o secretário possui o trânsito livre não só entre as secretarias estaduais, mas em todos os ministérios do governo federal.

“João é o primeiro ministro do governo Ricardo Coutinho e seu trabalho é amplamente reconhecido pela competência que é realizado, e ele representa toda a seriedade desse projeto e da qualidade de vida que queremos para todos os paraibanos”, afirmou.

Estela fez um comparativo entre o grupo político que governa a Paraíba e a oposição, que julgou “retrógrado, atrasado e acostumado a viver com a subalternidade do povo penalizado com a escassez da água”.

Para Estela, essa será a grande comparação para 2018: “A disputa do trabalho e da verdade, contra quem quer quer tornar o povo subalterno e submisso”.