A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) concedeu, nesta quinta-feira (15), durante solenidade realizada através do sistema de videoconferência o diploma Mulher Cidadã Anayde Beiriz às paraibanas Gilberta Soares, Glória Rabay e Roselita Vitor, que se destacam por suas histórias, ações e representatividades na luta pela cidadania das mulheres na Paraíba. A honraria foi proposta pela deputada Estela Bezerra.

O prêmio Diploma Mulher Cidadã Anayde Beiriz foi instituído em 2002 pela ALPB com o intuito de homenagear mulheres aguerridas, que contribuíram e contribuem para a defesa dos direitos das mulheres.

A deputada Estela Bezerra declarou que conceder o Diploma Anayde Beiriz, através da Assembleia Legislativa da Paraíba, é motivo de muita honra, porque é destinada a personalidades que oferecem importantes contribuições em defesa das mulheres e questões de gênero. “A Paraíba e a Assembleia Legislativa da Paraíba reconhecem o protagonismo e a contribuição que estas mulheres dão para a visibilidade, para a cidadania e para o respeito às mulheres paraibanas e brasileiras”, justificou a deputada. A violinista e atriz Bárbara Azevedo realizou a leitura encenada da carta de Anayde Beiriz de 1927 intitulada “De uma carta que te escrevi e que não te enviei”.

Estela destacou ainda que reconhecer em vida o trabalho desenvolvido por cada homenageada é motivo de muita alegria e de muita grandeza, pois se trata de conhecer a história de cada uma das contempladas.

Ao relembrar sua história, a homenageada Gilberta Soares recordou sua mãe, que segundo ela, é revolucionária do dia a dia e que luta diariamente para conquistar seu espaço. “Com essa referência, comecei a perceber as desigualdades sociais e de gênero desde cedo. Em Campina Grande, tive a oportunidade de conhecer o feminismo, que é uma trajetória de vida com conhecimento acadêmico engajado com a política”, afirmou.

Gilberta agradeceu a homenagem e ponderou que o Diploma Mulher Cidadã Anayde Beiriz é de todas as mulheres que lutam por seus direitos. “Esse diploma é de muitas mulheres que lutam comigo de mãos dadas. Isso é ser revolucionária. Ninguém consegue fazer nada sozinha. Que a gente possa resistir e viver novos momentos, com mais cidadania, mais saúde e mais igualdade”, concluiu Gilberta.

A professora Glória Rabay disse que o Diploma Mulher Cidadã Anayde Beiriz é um prêmio individual, mas que sempre será de todas as mulheres que lutam por condições igualitárias. “Cada trajetória foi construída coletivamente. Não tem nenhuma mulher que resista ser o apoio de outras mulheres”, avaliou Glória.

A homenageada lembrou que Anayde Beiriz foi resgatada pelo feminismo e motivou, desde então, o nascimento de cada vez mais ‘mulheres Anaydes’. “Estamos vendo o movimento se renovar através das mulheres jovens, das negras, das mulheres periféricas, que têm mostrado a força do feminismo. Haverá sempre uma razão para lutar por um mundo justo, enquanto não alcançarmos isso”, garantiu a professora.

Roselita Vitor também agradeceu a homenagem e, bastante emocionada, ressaltou que a diplomação recebida por ela é de toda a militância que ajudou na construção de sua história de luta em defesa dos direitos das mulheres paraibanas. “Dedico a todas as minhas companheiras, muitas agricultoras. Juntas nós vamos em busca da defesa de mulheres vítimas de violências e lutamos para protegê-las”, afirmou a agricultora.

Roselita acrescentou que o cotidiano da mulher paraibana é de luta e de resistência ao medo. “Esse diploma é de todas as mulheres que se atiram na construção de um mundo justo e solidário. Desejo que a gente consiga fazer de tudo isso muita resistência e força na construção de um mundo diferente”, declarou a militante.

A entrega da honraria contou com a participação da representante da Comissão Especial do Diploma Anayde Beiriz, Jô Pontes; da representante da família da homenageada Gilberta Soares, Gisele Rocha Cortês; da representante da família da homenageada Glória Rabay, Meiry Silva; e da representante a família da homenageada Roselita Vítor, Euzébio Cavalcante.

A escolha dos três primeiros nomes escolhidos foi definida a partir de uma Comissão Especial, composta por Cristina Hein, presidente da Associação Fórum das Mulheres de Negócios; Nathalia Laureano, representante do Centro da Mulher 8 de Março; Jô Pontes representante da Cunhã Coletivo Feminista; e Heloisa de Sousa, representante da Marcha Mundial das Mulheres.

da Agência ALPB